Tuesday, September 06, 2005

Sede

Incisivo, o dente começou a cutucar-lhe a mente sobre o que faria com aquela parede. Quem sabe, usando o talher pudesse, na parede, abrir janelas. Ou nela pendurar quadros – o que era quase o mesmo. Talvez, abrir uma porta, ainda que essa porta desse para o vazio. Surda como uma bolha não sabe ser, espelho opaco, porém, a parede continuava lá, como um arrepio, a encurtar-lhe o caminhO

1 Comments:

Blogger maura96clare said...

Just passing by your blog and though you'd like this website.

2:49 PM  

Post a Comment

<< Home